Para mecânicos: Troca do conjunto do amortecedor dianteiro do Corolla GLi

Confira o procedimento de substituição dos amortecedores e periféricos de suspensão, como batentes e coxins, em um Toyota Corolla GLi 1.8 2014

Texto: Alessandro Reis
Foto: Lucas Porto

Os amortecedores são itens essenciais para a dirigibilidade do veículo, controlando o balanço da carroceria causado pelas molas ao passar por lombadas, valetas e buracos, como também ao fazer curvas. Amortecedores têm vida útil limitada e, quando já não funcionam mais de forma adequada os sinais são rolagem excessiva da carroceria, balanço do veículo em frenagens e ruídos e vibrações.

 

O amortecedor é instalado no veículo juntamente com outras peças, que trabalham de forma conjunta e também sofrem desgaste: amortecedor, batente, coifa, coxim, mola e suporte de borracha. A recomendação das fabricantes de autopeças é trocar não apenas o amortecedor, mas também todo os itens agregados, para garantir o bom funcionamento da suspensão.

 

“De acordo com testes da Monroe, um amortecedor abre e fecha cerca de 2,6 mil vezes por quilômetro rodado. Com 40 mil km, ele já terá aberto e fechado mais de 104 milhões de vezes, o que dá uma ideia de quanto a peça é exigida”, destaca Juliano Caretta, coordenador técnico de treinamento da Monroe Amortecedores.

 

“De acordo com testes da Monroe, um amortecedor abre e fecha cerca de 2,6 mil vezes por quilômetro rodado. Com 40 mil km, ele já terá aberto e fechado mais de 104 milhões de vezes, o que dá uma ideia de quanto a peça é exigida”, destaca Juliano Caretta, coordenador técnico de treinamento da Monroe Amortecedores.

 

Nesta edição, demonstramos o procedimento completo, com remoção da coluna do amortecedor, desmontagem de todas as peças na bancada e remontagem do conjunto com novos componentes e sua instalação na carroceria. No entanto, o processo pode ser agilizado com o uso dos amortecedores Quick-Strut, da Monroe, que é composto de todos os componentes já montados e com as especificações de torque corretas. “Com o Quick-Strut, o mecânico ganha em rapidez, praticidade, segurança e também minimiza o risco de erros na montagem dos componentes. Além disso, todas as peças seguem as especificações do veículo e são cobertas por garantia de dois anos ou 40 mil km para carros de passeio e de seis meses ou 40 mil km para veículos utilitários”, explica Caretta.

 

Durante a instalação, medimos o tempo gasto no procedimento completo, com desmontagem da coluna do amortecedor na bancada, e utilizando o Quick-Strut. No primeiro, o tempo do serviço foi cronometrado em 19 minutos e, com a solução da Monroe, ele caiu para 14 minutos. Ou seja: 25% mais rápido, sem a necessidade de ter de encolher mola e outros procedimentos que trazem riscos ao mecânico.

 

“Depois de feito o serviço, faça o descarte correto do amortecedor: se possível passe a haste no esmeril e dê uma pancada no tubo para que ele não seja reaproveitado e vendido depois como peça remanufaturada ou recondicionada. Amortecedores são itens de segurança, que não devem ser reaproveitados após o fim da sua vida útil”, conclui o especialista da Monroe. Não esqueça dos EPIs, os equipamentos de segurança individual (sapato de segurança, luva e óculos), durante o procedimento.

 

Desmontagem da coluna de suspensão

 

1. Após remover a grelha e o braço do limpador do para-brisa, com as rodas do carro ainda no chão, remova a tampa de borracha da fixação superior do conjunto do amortecedor com uma chave de fenda.

2. Em seguida, solte a pressão da porca central com uma chave de 19 mm, mas tenha o cuidado para não soltá-la de vez, pois isso pode soltar a mola quando você remover o conjunto, mais tarde.

3. Com as rodas do carro ainda no solo, afrouxe os parafusos da roda no lado do conjunto de amortecedor que será substituído. Afrouxe-os sempre de cima para baixo, para evitar algum desconforto na região lombar durante a operação.

 

 

4. Depois de levantar o veículo, remova as porcas que prendem o conjunto de roda e pneu. Uma dica: para depois remontar a roda na mesma posição em que ela estava, mantenha uma das porcas no parafuso prisioneiro alinhada com a válvula do pneu. Isso serve para garantir não alterar o balanceamento após a remontagem do conjunto roda-pneu.

 

 

Remoção da bomba

 

5. Removida a roda, com acesso mais fácil à parte interna da caixa de roda, chegou a hora de soltar a bieleta que conecta o amortecedor na barra estabilizadora. Segure o parafuso sextavado com uma chave allen de 6 mm de um lado. Do outro, solte a porca com uma chave estrela de 17 mm.

 

 

6. Após soltar a bieleta, solte o suporte dos flexíveis e do sensor do ABS, desprendendo um parafuso com chave de 14 mm.

 

 

7. A parte inferior do amortecedor é conectada à manga de eixo com dois conjuntos de porca e parafuso, com cabeça de 22 mm. Remova em um primeiro momento apenas o conjunto de porca e parafuso inferior, mantendo o inferior na mesma posição. Ele será removido em seguida.

 

 

8. Desça o veículo parcialmente para ter acesso ao cofre do motor, onde estão os três parafusos prisioneiros de fixação do coxim na carroceria (8a). Com uma chave de 12 mm, remova completamente as três porcas. Se a operação for feita no lado do motorista, tenha o cuidado de não danificar os conduítes que passam por cima das porcas (8b). Depois de retirá-las, mantenha o suporte de fixação do coxim na mesma posição.
.

 

 

 

9. Com um cavalete, apoie o cubo da roda e em seguida remova a porca de 22 mm e o parafuso de fixação na manga de eixo que restaram no suporte do amortecedor.

 

 

10. Uma vez removido o parafuso, retire todo o conjunto do amortecedor, desencaixando a parte superior.

 

 

Desmontagem do conjunto do amortecedor na bancada

 

Obs.: Os processos de desmontagem e remontagem do conjunto do amortecedor na bancada não precisam ser realizados se o mecânico utilizar o Quick-Strut, o amortecedor da Monroe que já vem completo, com o próprio amortecedor, coifa, batente, coxim, mola e isolante de borracha novos, montados e com as especificações corretas. Basta remover a coluna antiga, segundo os passos descritos de 1 a 10, e colocar o conjunto novo. Note que o Quick-Strut vem com porcas de fixação superior com cabeça de 16 mm e não de 19 mm, como na coluna original do veículo.

 

11. Coloque o conjunto completo do
amortecedor, que acaba de ser removido em uma bancada para efetuar sua desmontagem. Nessa etapa, utilize um encolhedor de mola adequado e de
qualidade para proceder com segurança. Em geral, essa ferramenta tem dois conjuntos de garras, um posicionado de cada lado da mola. Neste passo a passo, foi utilizado um encolhedor com acionamento hidráulico. Procure alinhar as garras do encolhedor de cada lado da mola, de forma que uma fique oposta à outra. Isso faz com que, durante o movimento de compressão para remover a mola, para que ela “encolha” de forma igual e simétrica.

 

 

12. Antes de retirar a mola, solte completamente a porca superior, já previamente afrouxada no veículo, com uma chave de 19 mm para a porca e chave allen de 10 mm para segurar a haste do amortecedor durante a operação.

 

 

13. Remova a porca e o coxim de fixação superior. Em seguida, retire o prato superior da mola. Note que o furo central do prato tem uma fresa, que deve estar alinhada com a extremidade superior da haste do amortecedor.

 

 

14. Note que o coxim, quando comparado com um novo, demonstra estar bastante desgastado, denunciando a necessidade de troca (14a). Mesmo que sua estrutura esteja em bom estado, o mesmo pode não valer para o rolamento que vem integrado. Tanto ele quanto a borracha de isolamento com o prato já estavam bem desgastadas (14b).

 

 

 

15. Retire a coifa ou guarda-pó, que serve para prevenir a entrada de sujeira no conjunto. Se a peça de borracha apresentar deformação, rasgados e/ou perfurações, troque-a.

 

 

16. Agora, remova a mola, ainda comprimida e com o encolhedor preso a ela. Responsável por sustentar o peso do veículo, permitindo que o amortecedor trabalhe livremente, ela também deve ser substituída preventivamente, já que é exigida (e sofre desgaste) mesmo com o carro estacionado.

 

 

17. Remova na sequência o batente de poliuretano, que impede o fechamento total do amortecedor e também é conhecido como limitador de curso. Se apresentar deformações, ele também deve ser trocado.

 

 

18. Na sequência, retire o calço inferior da mola, que é uma peça de borracha que funciona como isolante de vibrações e ruídos, evitando o contato direto do metal da mola com o prato metálico inferior do conjunto.

 

 

19. Com o conjunto desmontado, só restou o amortecedor. Observe se há vazamentos e também marcas escurecidas na haste do amortecedor, que indicam desgaste da peça e necessidade de troca.

 

 

20. Antes de remontar o conjunto completo, agora com novos componentes, primeiramente, verifique o código do amortecedor, certificando-se que a peça que será usada é a mesma indicada para o modelo do veículo.

 

 

21. Agora é o momento de proceder com a equalização ou sangria do novo amortecedor, essencial para que a peça trabalhe perfeitamente logo nos primeiros minutos de uso. Coloque o amortecedor na bancada e abra a haste completamente, voltada para cima, na posição de instalação. Depois, vire a peça e feche totalmente o amortecedor. Segurando a haste, volte o amortecedor para a posição original e solte-a, deixando abrir por completo. Faça o procedimento quatro vezes.

 

 

Remontagem da coluna de suspensão

 

Prenda o amortecedor novo na bancada na posição de montagem, e siga a seguinte ordem de montagem:

 

22. Coloque primeiro o calço da mola sobre o prato inferior. Se não tiver o calço de borracha à disposição, uma alternativa é revestir os elos inferiores da mola com uma mangueira de borracha, para evitar o atrito direto de metal contra metal.

 

 

23. Depois, o batente de poliuretano, com o furo maior voltado sempre para baixo.

 

 

24. Ponha a mola nova, já comprimida e com o encolhedor aplicado, sobre o respectivo calço de borracha. Note que o elo de menor diâmetro vai sempre voltado para cima.

 

 

25. Na sequência, insira a coifa ou guarda-pó, com o diâmetro maior voltado para cima. Note que na parte superior da coifa tem uma marcação saliente, que deve estar voltada sempre na direção da roda do veículo. A borracha superior do guarda-pó deve ser posicionada sobre o primeiro elo da mola.

 

 

26. Coloque, então, o prato superior da mola sobre a borracha da coifa, com a parte côncava voltada para baixo. O prato também tem uma reentrância na sua extremidade, justamente para alinhar com a saliência de borracha da coifa mencionada logo acima, ambas apontando para o lado da roda.

 

 

27. Por último, coloque o coxim de fixação superior sobre o prato da mola. Note que o novo coxim já traz isolamento de borracha, que deve ser voltado ao prato metálico, e rolamento integrado.

 

 

28. Uma vez inserido o coxim, coloque a porca central de fixação. Faça apenas o aperto inicial, pois o aperto definitivo, com especificação de torque, será feito apenas quando a roda estiver em contato com o solo. Use uma chave allen de 10 mm para segurar a haste do amortecedor e uma chave inglesa de 19 mm para fazer o aperto preliminar da porca e, com isso, segurar a mola quando ela for expandida.

 

 

29. Certifique-se que todos os componentes estão montados corretamente. Confira se os elos das extremidades encaixam e se alinham com a borracha da coifa, na parte superior, e a borracha de suporte da mola, na parte inferior. Chegou o momento, então, de expandir a mola utilizando o “encolhedor” que já está preso nela.

 

 

Montagem da nova coluna do amortecedor na carroceria

 

30. Depois de retirar a coluna do amortecedor da bancada, já com os novos componentes, proceda com a montagem do conjunto no veículo, seguindo de forma reversa os passos descritos de 1 a 10. Encaixe primeiramente o coxim, passando os parafusos prisioneiros nas furações da carroceria, colocando as respectivas porcas e depois fixando a parte de baixo: bieleta, suporte de flexíveis de freio e ABS e os dois parafusos de fixação inferior do conjunto na manga de eixo) cuja cabeça preferencialmente deve ficar voltada para a dianteira do veículo.

 

 

31. Não deixe de aplicar os torques corretos na remontagem: 150 Nm para os dois parafusos de fixação inferior na manga de eixo, 120 Nm na porca central do coxim e 80 Nm em cada uma das três porcas do coxim. Não esqueça que as porcas de fixação superior do conjunto devem receber o torque definitivo com a roda já assentada no solo.

 

 

Importante:

Depois do fim do procedimento, execute o teste de rodagem para atestar que não há ruídos ou qualquer anormalidade e verifique o alinhamento e o balanceamento das rodas.

 

Colaboração técnica
LNG: http://www.lng.com.br/

 

Fonte: Revista O Mecânico.

revista_o_mecanico

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.